Parlamento da Letónia declara a Rússia "Estado patrocinador do terrorismo"

Os deputados do parlamento da Letónia classificam como "terrorismo" e "genocídio seletivo" a "violência da Rússia contra os civis para alcançar objetivos políticos". Pedem à UE que pare de emitir vistos turísticos aos cidadãos russos e bielorrussos.

O parlamento da Letónia declarou, esta quinta-feira, a Rússia como "Estado patrocinador do terrorismo" e considerou que as suas ações na Ucrânia constituem "um genocídio" contra o povo ucraniano.

Na declaração, publicada no seu site oficial, o parlamento da Letónia "reconhece a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo" e pede a outros países que adotem a mesma medida.

Os deputados afirmaram que consideram "terrorismo" e "genocídio seletivo" a "violência da Rússia contra os civis para alcançar objetivos políticos".

Segundo os deputados, a Rússia usa em particular munições proibidas internacionalmente para "propagar medo e matar civis".

"A Rússia usa o sofrimento e a intimidação como ferramentas nas suas tentativas de desmoralizar o povo e as Forças Armadas ucranianas, além de paralisar o funcionamento do Estado para ocupar a Ucrânia", completa a declaração.

O Parlamento pediu à União Europeia que pare de emitir vistos turísticos aos cidadãos russos e bielorrussos.

Os eurodeputados da Letónia afirmaram que a invasão russa aconteceu "com o apoio e o envolvimento do regime bielorrusso". Pediram, por isso, à comunidade internacional que adote contra Bielorrússia as mesmas sanções anunciadas contra a Rússia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG