Kremlin rejeita termos de Biden para negociações na Ucrânia

Porta-voz do governo russo disse que "a operação militar especial vai continuar" e que Kremlin não aceita deixar a Ucrânia para possibilitar negociações.

O Kremlin rejeitou esta sexta-feira os termos do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para negociações na Ucrânia com o líder russo, Vladimir Putin, dizendo que a ofensiva de Moscovo vai continuar.

"O que o presidente Biden disse realmente? Ele disse que as negociações só são possíveis depois de Putin deixar a Ucrânia", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, aos jornalistas, acrescentando que a Rússia "certamente" não está pronta para aceitar essas condições.

"A operação militar especial vai continuar", disse Peskov, usando o termo utilizado pelo Kremlin para descrever o invasão russa da Ucrânia.

Durante uma visita de estado do presidente francês, Emmanuel Macron, Biden referiu esta quinta-feira que estaria disposto a falar com Putin se o líder russo realmente quiser encerrar os combates.

"Estou preparado para falar com o senhor Putin se de facto houver interesse em que ele decida que quer encontrar uma forma de acabar com a guerra", revelou o presidente dos Estados Unidos.

Peskov disse esta sexta-feira que Putin está pronto para negociações de forma que os interesses da Rússia sejam respeitados, mas acrescentou que a posição de Washington "complica" qualquer conversa possível.

"Os Estados Unidos não reconhecem os novos territórios como parte da Federação Russa", disse o porta-voz do governo russo, referindo-se às regiões ucranianas que o Kremlin afirma ter anexado.

Em setembro, Moscovo realizou supostos referendos em quatro regiões da Ucrânia - Donetsk, Kherson, Lugansk e Zaporizhzhia - e disse que os moradores votaram a favor de se tornarem parte da Rússia.

As Nações Unidas condenaram a "tentativa de anexação ilegal" de territórios ucranianas.

Peskov disse que antes de enviar tropas para a Ucrânia a 24 de fevereiro, Putin propôs repetidamente manter conversações com a NATO, a OSCE e os Estados Unidos, mas essas tentativas mostraram-se "infrutíferas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG