Junta militar do Myanmar vai libertar mais de 1.600 presos

Medida destina-se a assinalar o ano novo budista.

A junta militar no poder em Myanmar (antiga Birmânia) disse que ia libertar este domingo mais de 1.600 presos para assinalar o ano novo budista, sem especificar se eram criminosos comuns ou presos políticos.

O país do Sudeste Asiático tem estado sob forte tensão desde que os militares expulsaram o governo de Aung San Suu Kyi no ano passado, num golpe militar que desencadeou protestos maciços e uma onda de intensa repressão.

Pelo menos 1.619 presos, incluindo 32 estrangeiros, foram amnistiados e vão ser libertados para assinalar o novo ano, disse esta manhã a televisão estatal birmanesa.

As autoridades birmanesas amnistiam tradicionalmente milhares de presos para assinalar o ano novo budista, evento que em anos anteriores deu origem a grandes celebrações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG