EUA: O mundo está condenado se continuarmos a usar carvão

A frágil união demonstrada em Glasgow em novembro passado, será provavelmente testada na Conferência do Clima em Bona, na Alemanha. À medida que os países lidam com as consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia e a crise do custo de vida.

O enviado dos EUA para as mudanças climáticas, John Kerry, alertou que a guerra na Ucrânia não deve ser usada como desculpa para prolongar a dependência global do carvão.

Em entrevista à BBC, Kerry criticou vários países por não cumprirem com as promessas da Climate Summit COP26.

Diplomatas climáticos reúnem-se esta segunda-feira em Bona, na Alemanha, sobre as novas preocupações de segurança energética. Se os países estenderem a sua dependência no carvão em resposta à guerra, então "estamos condenados", afirmou Kerry.

A frágil união demonstrada em Glasgow em novembro passado, será provavelmente testada em Bonn, à medida que os países lidam com as consequências da invasão da Ucrânia pela Rússia e a crise do custo de vida.

Kerry disse à BBC que, apesar destas desvantagens, "como um mundo, ainda não nos estamos a mover rápido o suficiente" para conter as emissões de gases de aquecimento que estão a aumentar as temperaturas.

"Ainda podemos vencer esta batalha", afirma o ex-senador, mas isso exigirá uma "elevação de esforços por parte de todos os países do mundo".

O apelo de Kerry, foi ecoado por um importante cientista ucraniano que incentivou os delegados a acelerar a sua transição para longe dos combustíveis fósseis.

Svitana Krakovska disse que o petróleo e o gás são os "facilitadores da guerra".

A reunião desta segunda feira, em Bona, vai durar até ao final da próxima semana, é muito menor que a COP26 e é principalmente uma negociação técnica.

Ocorre no meio do caminho entre as grandes conferências em Glasgow e a COP27, a ser realizada no Egito.

As conversas serão realizadas por funcionários públicos com participação política limitada e analisarão o progresso numa serie de questões acordadas no Pacto Climático de Glasgow.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG