Espia russa infiltrou-se na base da NATO em Nápoles durante anos

María Adela Kuhfeldt Rivera nasceu no Peru, tinha pai alemão e conseguiu entrar nos círculos de personalidades napolitanas e dos funcionários da base da NATO e da Sexta Frota dos EUA.

Uma espia russa infiltrou-se na base da NATO na cidade italiana de Nápoles durante anos, noticiaram esta sexta-feira vários jornais, como o italiano "La Repubblica" e o alemão "Der Spiegel", após uma investigação jornalística de mais de 10 anos.

A investigação descreve a mulher como uma "cosmopolita e autoconfiante de 30 e poucos anos que fala seis idiomas", que conseguiu entrar nos círculos de personalidades de Nápoles e dos funcionários da base da NATO e da Sexta Frota dos Estados Unidos.

O passaporte russo com o qual conseguiu entrar em Itália pertence à "mesma série usada pelos espiões do GRU (Glavnoye Razvedyvatel'noye Upravleniye, ou serviço secreto militar russo)", de acordo com a investigação.

A mulher chama-se María Adela Kuhfeldt Rivera, nascida no Peru e de pai alemão, mas investigações posteriores identificaram-na como Olga Kolobova, uma agente russa e filha de um coronel daquele país.

Durante a estadia em Itália, Olga Kolobova usou três passaportes russos, todos com números semelhantes aos de agentes de Moscovo, informou o "La Repubblica".

O rasto de Rivera foi perdido quando, em setembro de 2018, o 'site' de jornalismo de investigação neerlandês "Bellingcat" e o jornal independente russo "The Insider", publicaram o nome dos espiões russos que tentaram envenenar o antigo agente Sergey Skripal e o fabricante de armas búlgaro Emilian Gebrev.

Também não foi possível escrutinar quais as informações a espia obteve, mas sabe-se que "entrou em contacto figuras importantes da NATO e da Marinha dos Estados Unidos", segundo a investigação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG