"Cadê o Lázaro?". Brasil busca serial killer há 13 dias

Suspeito de matar quatro pessoas, entre outros crimes, vem escapando há quase duas semanas de cerca de 200 agentes da polícia numa região de mato denso, grutas e córregos. "Psicopata imprevisível", diz secretário de segurança

Um serial killer brasileiro foge de 200 agentes da polícia há 13 dias, na região de Cocalzinho do Goiás, não muito distante de Brasília, a capital federal do país. Lázaro Barbosa é acusado de latrocínio, roubo seguido de morte, de uma família de quatro pessoas, além de outros crimes, como sequestro ou furto, que vem cometendo quase todos os dias. Apesar da mobilização dos polícias no terreno, do uso de drones, de helicópteros, de cães farejadores e de barreiras nas estradas, Lázaro continua foragido, supostamente, por conhecer bem o local, repleto de mato denso, grutas e córregos onde se abriga.

O secretário de segurança de Goiás afirmou nas últimas horas que, além da dificuldade de acesso à região, a polícia vem enfrentando uma onda de fake news. "É um problema sim. Não só essa, de que Lázaro estaria num cemitério, como outra de que ele já havia sido baleado, que já estava morto. Tudo isso atrapalha, porque a nossa Inteligência e as unidades de operação têm que conferir. Às vezes a gente deixa de atender mais rapidamente uma informação procedente, para atender uma que não tem relevância", queixou-se Rodney Miranda.

A pressão pela prisão de Lázaro aumenta de dia para dia porque a população de Cocalzinho do Goiás e das cidades vizinhas estão cada vez mais desesperadas e porque a busca se tornou notícia nacional, como ilustra as reações de políticos. O presidente da República Jair Bolsonaro aproveitou para dizer que "arma é vida" e afirmou que "ele preso, no mínimo, é questão de tempo".

Uma deputada federal, a bolsonarista Magda Mofatto (PL), fez-se fotografar com uma metralhadora na mão a bordo de um helicóptero sob a legenda "Lázaro 'tô indo aí te pegar". Um vereador de Fortaleza, Inspetor Alberto (PROS), também já viajou para a região. "Não estou indo para brincar", avisou.

Na terça-feira, dia 15, o criminoso fez um casal e uma filha adolescente de reféns e já os havia coberto de folhas para os matar em seguida. Uma mensagem de telemóvel da adolescente, entretanto, alertou a polícia que evitou as mortes. Houve inclusivamente confronto entre as autoridades e Lázaro, que conseguiu escapar e ainda alvejou dois agentes de raspão.

"Houve um confronto e ele teve a oportunidade de ver os polícias chegando. Quando chegaram muito perto, ele atirou. Atingiu um policial no rosto e fugiu pulando um barranco. Os polícias salvaram a vida dessa família, se eles não tivessem chegado poderia ter acontecido o pior, ele é um psicopata imprevisível", informou na altura Rodney Miranda,.

"Ele tem facilidade em escapar por estar habituado a viver no mato e ser caçador", continuou o secretário, que contou ainda detalhes dos seus métodos. "Ele leva as vítimas para a beira do rio, manda-as tirar as roupas e acaba matando".

Ainda segundo as autoridades, Lázaro descansa durante o dia e age à noite, normalmente junto aos rios para não deixar rastro, em busca de dinheiro e comida.

As forças de segurança investigam uma ultima pista, em Girassol, no distrito de Cocalzinho, onde um morador da região relatou aos agentes que a casa dele foi invadida. "Encontrei tudo revirado mas não roubaram nada", afirmou Josenilton Conceição.

Lázaro já escapou três vezes da prisão e tem extenso cadastro criminal em três estados do Brasil.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG