Brad Pitt acusa Angelina Jolie de tentar causar-lhe danos com venda de propriedade em França

Atriz vendeu a sua parte da propriedade Chateau Miraval, onde o ex-casal trocou alianças, a um oligarca russo

O ator Brad Pitt acusou a sua ex-mulher Angelina Jolie de lhe tentar "infligir danos" ao vender a sua participação numa propriedade francesa, onde o ex-casal de atores se casou, a um oligarca russo com "associações e intenções suspeitas".

As alegações constam de novos documentos judiciais que fazem parte do processo que Pitt interpôs contra Jolie pela venda do Chateau Miraval - propriedade que engloba um castelo e um vinhedo - e são a mais recente farpa numa azeda batalha legal entre o antigo casal bonito de Hollywood, cujo casamento terminou em 2016.

A propriedade foi adquirida pelo casal "Brangelina" - como era conhecido - em 2012 por cerca de 60 milhões de dólares. Construído no século XVII, o imponente castelo de 1000 hectares e 35 quartos já era alugado em diversas temporadas pelos atores desde 2008, para passarem férias com os filhos. Em 2014, foi lá que trocaram alianças.

Em outubro passado, Jolie vendeu a sua participação no vinhedo do sul da França para a Tenute del Mondo, uma subsidiária do conglomerado de bebidas do multimilionário russo Yuri Shefler.

Pitt processou a ex-mulher em fevereiro, argumentando que o casal tinha concordado em nunca vender os seus interesses na propriedade sem o consentimento do outro e acusando Jolie de procurar lucros "imerecidos" e causar danos comerciais - é do vinhedo do antigo casal sai o vinho Rosé que atingiu um preço recorde, em 2019: 2600 euros por uma garrafa de Muse de Miraval.

Numa queixa consultada pela AFP, os advogados de Pitt argumentam que "Jolie procurou infligir danos a Pitt" com a venda e descrevem Shefler como "um estranho com associações e intenções suspeitas". O pedido recebido por um tribunal de Los Angeles na sexta-feira passada alega que Shefler "mantém relações pessoais e profissionais com indivíduos do círculo íntimo de Vladimir Putin".

Publicamente, Shefler tem sido um crítico ferrenho de Putin e o seu conglomerado de bebidas Stoli Group está sediado na Letónia.

Em março, após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Shelfer divulgou um comunicado dizendo que estava "exilado da Rússia desde 2002 devido à oposição a Putin" e renomeou sua empresa em "solidariedade com a Ucrânia".

Mas o último documento apresentado pela defesa de Pitt em tribunal argumenta que "apesar da tentativa desesperada de Shefler de se dissociar do regime de Putin, a marca Stoli é agora um enorme risco internacional".

"Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em fevereiro de 2022, a seguradora do Chateau Miraval procurou garantias de que Shefler não está alinhado com Putin e que a ligação à Stoli não criaria riscos comerciais", diz o documento. E acrescenta: "A vodka Stoli é sinónimo de Rússia".

A queixa de Brad Pitt também inclui o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman dentro da suposta "rede de associados profissionais de má reputação" de Shefler, que "ameaça causar danos duradouros à reputação de Chateau Miraval".

Nem o Stoli Group nem Jolie comentaram até agora as acusações de Pitt.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG