Biden presente em homenagerm fúnebre à chegada de militares mortos em Cabul

O Presidente norte-americano iniciou hoje uma jornada solene para homenagear os 13 soldados dos EUA mortos no ataque suicida ocorrido junto ao aeroporto de Cabul, noticiou a agência AP.

Joe Biden viajou para a Base Aérea de Dover, em Delaware, para o habitual ritual militar de receber os restos mortais de tropas mortas em combate no estrangeiro.

Os mortos, com idades entre os 20 e 31 anos, eram oriundos da Califórnia e Massachusetts e de outros estadoss norte-americanos.

Entre as vítimas está um fuzileiro de 20 anos, de Wyoming, que esperava seu primeiro filho dentro de três semanas e um oficial da Marinha, de 22 anos, que, na última conversa no `FaceTime´ com a sua mãe, garantiu e tranquilizou a progenitora, dizendo que ficaria seguro no Afeganistão.

Cinco das vítimas mortais tinham apenas 20 anos, nascidos não muito antes dos ataques de 11 de setembro de 2001, que impulsionaram os Estados Unidos a invadir o Afeganistão para derrubar o movimento terrorista islâmico Al Qaeda e desmantelar os seus anfitriões talibãs que à data governavam o país, e que agora regressaram ao poder.

Os 13 jovens militares estavam no terreno para colocar termo à guerra mais longa dos EUA, auxiliando na retirada caótica de norte-americanos e afegãos que ajudaram no esforço de guerra dos Estados Unidos e que agora estão a tentar fugir dos talibãs, após seu regresso ao poder.

"Os 13 militares que perdemos eram heróis que fizeram o maior sacrifício ao serviço de nossos mais elevados ideais norte-americanos e ao mesmo tempo salvando a vida de outros", declarou no sábado Biden, em comunicado.

"A sua bravura e abnegação permitiram que mais de 117 mil pessoas em risco alcançassem a segurança até agora", acentuou.

A cerimónia solene inclui curtas orações curtas do capelão, sendo estas as únicas palavras ditas durante o ritual.

Como os seus três antecessores no cargo, Joe Biden deve reunir-se com as famílias dos mortos antes de regressar a Washington.

Esta será a primeira vez que Biden viajará para Dover para assistir ao cerimonial militar, depois de já ter participado naquele ritual funerário de dois soldados norte-americanos mortos na sequência de uma explosão suicida no campo de aviação de Bagram nos últimos meses da sua vice-presidência em 2016.

Em 2008, enquanto senador e a pedido de uma família enlutada, Biden compareceu a uma cerimónia do género em memória de um soldado morto na explosão de um carro-bomba no Iraque.

Os 13 soldados que morreram em Cabul foram os primeiros militares norte-americanos mortos no Afeganistão desde fevereiro de 2020.

Foi nessa altura que a administração Trump chegou a um acordo com os talibãs exigindo que o grupo militante interrompesse os ataques às tropas norte-americanas em troca de um compromisso dos EUA de remover todas as tropas do EUA do terreno até maio de 2021

Biden anunciou em abril passado que retiraria todas as forças em setembro.

Onze dos 13 americanos mortos eram fuzileiros. As outras vítimas são um marinheiro e um soldado do Exército.

.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG