Republicanos tiram palco a Le Pen e extrema-direita nas regionais francesas

Sete em 10 eleitores do partido da União Nacional não foram votar, algo que é inédito. A segunda volta acontece no dia 27 de junho e mantêm-se na corrida todas as listas que conseguirem mais de 10% dos votos.

DN/Lusa
Sondagens mostram "que a ideia de eu ganhar é credível, até plausível", disse Le Pen.© THOMAS SAMSON / AFP

As dúvidas em relação à participação dos franceses na primeira volta das eleições regionais confirmaram-se, com a abstenção a bater todos os recordes em França. Entre 66% e 68% dos franceses não foram às urnas para votar na primeira volta das eleições regionais e departamentais, numa disputa que foi favorável ao centro-direita, enfraqueceu a extrema-direita e mostrou as fraquezas do partido de Emmanuel Macron.

Entre a incerteza da data da realização deste escrutínio devido à crise sanitária, a impossibilidade de realizar uma campanha eleitoral tradicional, algumas forças políticas apontam também o dedo ao Governo pela informação destas eleições não ter chegado aos eleitores.

A abstenção tocou mesmo na extrema-direita, com sete em 10 eleitores do partido da União Nacional a não terem ido votar, algo que é inédito, já que o partido de Marine Le Pen consegue sempre uma participação mais elevada que outras formações políticas.

Esta falta de comparência nas urnas fez com que a União Nacional enfraquecesse a sua posição em muitas regiões, tendo agora como principal esperança, a liderança na Provença-Alpes-Costa Azul, onde o candidato Thierry Mariani ganhou.

Para o centro-direita, apesar da desorganização interna do partido Les Republicains, este domingo foi uma noite de vitórias. Na região Hauts de Seine, no Norte da França, o potencial candidato às presidenciais, Xavier Bertrand, ganha com mais de 40% dos votos, apesar do investimento do Presidente francês, Emmanuel Macron, nesta região onde colocou como candidato Laurent Pietraszewski, secretário de Estado das Reformas, ajudado por Éric Dupond-Moretti, ministro da Justiça, candidato em Pas de Calais.

Também em Île de France, Valérie Pècresse, a candidata do centro-direita cimenta a sua liderança, com cerca de 36% dos votos, deixando os outros candidatos entre os 10% e 20%

A segunda volta acontece no dia 27 de junho e mantêm-se na corrida todas as listas que conseguirem mais de 10%, podendo haver coligações entre listas que obtenham mais de 5% do escrutínio. A composição das listas para a segunda volta tem de ser entregue até segunda-feira.