Turquia levanta veto a Suécia e Finlândia: "Putin queria menos NATO, agora vai ter mais na sua fronteira"

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, anunciou que a Turquia levantou o seu veto à adesão da Finlândia e da Suécia à Aliança Atlântica, após a assinatura de um memorando que "responde às preocupações" de Ancara.

DN/Lusa
Presidente turco Erdogan e a primeira-ministra sueca Magdalena Andersson© EPA/Henrik Montgomery

"Acabámos agora uma reunião muito construtiva com o Presidente [da Turquia, Recep Tayyip] Erdogan, o Presidente [da Finlândia, Sauli] Niinisto, e a primeira-ministra [da Suécia, Magdalena] Andersson, e tenho o prazer de anunciar que chegamos a um acordo que prepara o caminho para que a Suécia e a Finlândia adiram à NATO", anunciou Stoltenberg.

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla em inglês) falava em conferência de imprensa no Parque de Exposições de Madrid, no nordeste da capital espanhola, onde decorre a cimeira dos líderes da Aliança Atlântica.

Pouco antes desta conferência de imprensa, no mesmo recinto, os chefes da diplomacia da Turquia, Suécia e Finlândia assinaram um memorando de entendimento perante o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o Presidente finlandês, Sauli Niinisto, a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, e o secretário-geral da NATO.

Segundo Stoltenberg, o memorando em questão "responde às preocupações da Turquia, incluindo no que se refere às exportações de armas e à luta contra o terrorismo".

"Nenhum aliado sofreu ataques terroristas mais violentos do que a Turquia, incluindo do grupo terrorista PKK. O Governo da Turquia, Finlândia e a Suécia concordaram em aumentar a sua cooperação em contraterrorismo", afirmou o secretário-geral da Aliança, em referência ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerado "organização terrorista" pela Turquia, União Europeia e Estados Unidos, na sequência da rebelião armada curda no sudeste turco, iniciada em 1984.

Stoltenberg anunciou que, "enquanto aliados da NATO, a Finlândia e a Suécia comprometeram-se a apoiar plenamente a Turquia nas ameaças à sua segurança nacional".

"Isto inclui alterar ainda mais as legislações nacionais, reprimir as atividades do PKK e chegar a um acordo com a Turquia no que se refere à extradição. Tendo em conta o progresso que fizemos juntos, a Turquia concordou em apoiar a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO", frisou.

O secretário-geral da NATO agradeceu assim a Erdogan, Niinisto e a Andersson "pelo espírito construtivo" durante as negociações, afirmando que a Aliança tem comprovado que, apesar das diferenças, os Estados-membros têm sempre conseguido "sentar-se, encontrar terreno comum e resolver qualquer problema".

"A política de portas abertas da NATO foi um sucesso histórico. Dar as boas-vindas à Finlândia e à Suécia à Aliança vai torná-los [países] mais seguros, a NATO ficará mais forte e a área euro-atlântica mais segura. Isso é vital quando enfrentamos a maior crise de segurança em décadas", destacou.

Na sequência do levantamento do veto turco, os líderes aliados vão agora convidar os dois países a juntarem-se à organização. "Assinámos um documento que satisfaz as preocupações turcas", disse Jens Stoltenberg. "Envia uma mensagem muito importante para o presidente Putin de que a porta da NATO continua aberta. Putin queria menos NATO, agora vai ter mais NATO na sua fronteira."