EUA consideram Portugal um destino de "risco muito elevado" devido à covid-19

Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos fez uma atualização e colocou Portugal no nível quatro, de risco "muito elevado" e recomenda que se evite viagens ao nosso país.

DN
© Angela Weiss / AFP

"Evite viajar para Portugal. Se tiver de viajar para Portugal, certifique-se que está totalmente vacinado", lê-se na atualização desta segunda-feira do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. No documento, Portugal é um país que está no nível quatro, de risco "muito elevado" de covid-19. Na mesma situação está agora Espanha, Chipre e Quirguistão, tendo em conta o aumento do número de casos de infeção.

Esta atualização acontece depois de na semana passada o CDC ter desaconselhado viagens para o Reino Unido.

O CDC dos EUA também elevou para o nível máximo de risco a classificação de Cuba, que anteriormente já tinha a advertência "não viaje" pelo departamento de Estado..

Perante esta última atualização de advertências do CDC, o departamento de Estado emitiu um alerta de "não viaje" para Portugal. É referido na nota que o CDC emitiu "um  aviso de saúde em viagem de nível 4 para Portugal devido à covid-19, indicando um nível muito alto de covid-19 no país".

O departamento de Estado sublinha que "o risco de contrair a doença e de desenvolver sintomas graves pode ser menor se se estiver totalmente vacinado com uma vacina autorizada pela FDA", a Food and Drug Administration, o regulador norte-americano.

EUA mantêm restrições em vigor nas viagens internacionais

De referir que os EUA vão manter as restrições em vigor para as viagens internacionais, apesar dos pedidos de reciprocidade da União Europeia, quando os casos da variante Delta da covid-19 aumentam no país e no resto do mundo.

"Vamos manter as restrições existentes", disse nesta segunda-feira a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki. "A variante Delta, mais contagiosa, está a espalhar-se tanto aqui como no exterior", declarou.

Acrescentou que é provável que a tendência de aumento de casos continue "nas próximas semanas" e reiterou que esta situação afeta principalmente as pessoas não vacinadas.

Os Estados Unidos restringiram as viagens da União Europeia, Reino Unido, China e Irão há mais de um ano devido à pandemia de covid-19 e depois incluíram outros países, como Brasil e Índia.

Com AFP