20 feridos, três deles graves, em fuga de comboio devido a incêndio

Ao confrontar-se com com a proximidade do incêndio, o maquinista decidiu parar o comboio e recuar. O pânico instalou-se entre alguns passageiros, que partiram janelas para fugir.

DN
Incêndio em Saragoça já obrigou à retirada de mais de mil pessoas das suas casas© EPA/TONI GALA

Foram momentos de aflição vividos pelos passageiros de um comboio que fazia o percurso entre Valência e Saragoça, em Espanha, quando confrontados com o incêndio florestal que tem afetado a região nos últimos dias e que já obrigou à retirada de mais de mil pessoas das suas casas. Tudo aconteceu quando o maquinista decidiu parar e recuar devido à proximidade das chamas. Nesse momento, houve quem não quisesse esperar e, em pânico, partiu vidros para sair das carruagens e seguir caminho pelos carris. Cerca de 20 pessoas sofreram queimaduras e há três feridos em estado grave.

Ao aproximar-se do apeadeiro Bejís-Torá, o maquinista deparou-se, no final da tarde de terça-feira, por volta das 18:00, com a proximidade do fogo e optou por parar a marcha e recuar para a estação de Caudiel, com os 48 passageiros que seguiam a bordo.

Foi nesta altura que duas dezenas de passageiros, assustados com as chamas ali tão perto, decidiram sair das carruagens para fazer o resto do percurso a pé, apesar dos apelos do maquinista para permanecerem no comboio.

Em pânico, alguns partiram mesmo janelas para abandonar as carruagens e seguir caminho pelos carris a pé, de acordo com o El Mundo, que cita fontes da Renfe, a companhia nacional ferroviária espanhola, que suspendeu a circulação nesta via, Teruel, entre Valência e Saragoça.

"Assim que viram que estavam cercados pelo fogo, voltaram para o comboio e vários sofreram queimaduras", afirmou fonte oficial da Renfe.

Cerca de 20 pessoas ficaram com queimaduras e há três feridos considerados graves, dois dos quais tiveram que ser retirados do local de helicóptero para serem transportados para unidades hospitalares.

A rápida intervenção do maquinista, refere a empresa, evitou danos maiores ao pedir que os passageiros não abandonassem o comboio e ao proceder ao recuo da composição face ao perigo que representava o incêndio junto à linha ferroviária.

Além dos feridos entre os passageiros, este incêndio que já obrigou à retirada de mais de mil pessoas das suas casas e ao confinamento de um parque de campismo, provocou ferimentos em três bombeiros que combatiam as chamas. O incêndio também levou as autoridades a evacuar várias localidades.