Abrandamento económico pode aumentar em 12% insolvências na zona euro

O abrandamento económico global resultante da guerra na Ucrânia pode resultar num aumento de 12% das insolvências na zona euro este ano, estimam os economistas da Allianz Trade, acionista da COSEC -- Companhia de Seguros de Crédito.

"A guerra na Ucrânia deverá levar a um abrandamento económico à escala global. Na zona euro, a desaceleração do crescimento da atividade económica pode traduzir-se num aumento do risco de incumprimento de pagamentos por parte das empresas, o que pode resultar numa subida de 12% das insolvências este ano", aponta o estudo 'Corporate Credit: Straddle or Struggle?', hoje divulgado.

Já nos Estados Unidos, os especialistas admitem um aumento das insolvências na ordem dos 7% em 2022.

Citado num comunicado, o especialista sénior da Área de Investimento da Allianz Trade Jordi Basco Carrera nota que "este crescimento das insolvências na área da moeda única espelha uma realidade desigual entre os Estados-membros".

Assim, se "a economia italiana já registava um aumento das insolvências no ano passado", as economias germânica e francesa ainda "registavam níveis baixos".

De acordo com a Allianz Trade, "uma política monetária mais 'hawkish' (que se pauta por taxas de juro mais altas, o que pode levar a uma diminuição da procura por bens mas, por outro lado, a um maior controlo da inflação) pode conduzir a maiores restrições na concessão de crédito e, também, a uma subida das taxas de incumprimento pelas empresas".

Ainda assim, admite que "o facto de muitas empresas terem os seus principais indicadores robustos pode ajudar a uma certa estabilidade dos 'spreads' nos créditos cobrados às empresas".

O estudo destaca as empresas europeias como sendo "das mais afetadas", a nível global, pela guerra na Ucrânia.

"Com os preços das matérias-primas a disparar -- em particular das matérias-primas energéticas, como o gás e o petróleo --, com as perturbações das cadeias de abastecimento que já se vinham a fazer sentir desde o ano passado a agravar-se, a incerteza ao nível económico está também a aumentar", refere.

No entanto, acrescenta, "a almofada financeira que as empresas tinham criado tem estado, até agora, a amortecer os efeitos do aumento do custo das matérias-primas e da disrupção das cadeias logísticas".

"Até ao momento, os fortes balanços das empresas, conjugados com um aumento da rentabilidade e do investimento, parecem ter protegido muitas empresas dos preços elevados de produção. Contudo, os efeitos reais sobre as empresas ainda não são totalmente claros", admite Jordi Basco Carrera.

Assim, e "apesar de ainda não ser evidente qual o impacto real que a guerra vai ter nas contas da maioria das empresas", a Allianz Trade nota que "os primeiros resultados trimestrais que as cotadas têm estado a apresentar denotam já alguns efeitos, embora ainda controláveis".

Apesar dos riscos que as empresas enfrentam, o estudo aponta que "as expectativas de resultados se mantêm, globalmente, resilientes".

"Os elevados lucros registados no ano passado acabaram por surpreender o mercado, que antecipava este nível de resultados em dois anos e não apenas em um. Atualmente, os mercados continuam a antecipar que as empresas registem lucros neste ano, mas de um dígito apenas. Já para 2023, as expectativas apontam para, em média, níveis próximos de históricos", precisa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG