Lançamento da Coleção "Fátima - Imagens Históricas DN"

Nas bancas, a partir do dia 30 de abril, GRÁTIS, com seu Diário de Notícias!

De 30 de abril a 21 de maio, colecione as imagens que saíram nas páginas do jornal que acompanhou de perto as aparições de Fátima. Um exclusivo do Diário de Notícias.

Em 2017 celebram-se os cem anos em que o país foi surpreendido, no dia 13 de maio de 1917, com três meninos de 10, 9 e 7 anos, respetivamente Lúcia, Francisco e Jacinta, que viram a Virgem Maria no local onde actualmente, em Fátima, se encontra o Santuário.

Para celebrar o centenário das aparições de Fátima, o Diário de Notícias oferece ao seus leitores, uma coleção de 10 imagens históricas do seu arquivo, que assinalam os momentos mais marcantes destes últimos 100 anos de Fátima.

Esta coleção revisita os momentos mais marcantes como a construção em madeira feita no local das aparições após o desaparecimento da azinheira; o registo fotográfico do afluxo de peregrinos à Cova da Iria a 13 de outubro aquando da sexta e última aparição de Nossa Senhora; a visita do Cardeal Benedetto Masella a 13 de maio de 1946; as comemorações do 50º aniversário das aparições da Cova da Iria com a visita do Papa Paulo VI em 1967; as três visitas do Papa João Paulo II que foi sempre recebido por sucessivas multidões; a visita do Papa Bento XVI e por fim a visita que irá acontecer este ano do Papa Francisco para as celebrações do centenário das aparições de Fátima.

Estes momentos registados pelo Diário de Notícias são agora editados numa coleção feita a pensar nos seus leitores, para assinalar o centenário das aparições de Fátima. 10 Imagens históricas e uma pasta arquivadora, para que o centenário seja celebrado com o jornal que acompanhou de perto cada um destes 100 anos.

Coleção "Fátima - Imagens Históricas DN", com as edições do Diário de Notícias às sextas, sábados e domigos, de 30 de abril a 21 e maio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.