Um país partido ao meio para Dilma voltar a unir

Eleição dividiu o Brasil. Velho discurso da luta de classes voltou. Presidente promete mudanças. Eleições de 2018 são logo ali

Sobre os escombros da mais emocionante e feroz das eleições presidenciais da história democrática do Brasil, Dilma Rousseff, reeleita presidente até 2018, falou em "união", "diálogo" e "pontes". A presidente, que obteve 51,6% dos votos contra 48,4% do adversário Aécio Neves, tem consciência de que vai pegar num país dividido.

Não apenas do ponto de vista eleitoral, mas também geográfico e socioeconómico. A candidata do Partido dos Trabalhadores (PT) venceu com larga margem no Norte e Nordeste, regiões mais carentes, e entre os que ganham até cerca de 1500 euros; perdeu, com folga, para o candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) no Sul, mais modernizado, e entre os brasileiros com maiores rendimentos.

Leia mais pormenores no epaper do DN

Exclusivos