Troca de prisioneiros entre militares e rebeldes decorre na linha da frente

139 soldados ucranianos deverão ser trocados por 52 combatentes rebeldes.

Os militares ucranianos e os separatistas pró-russos estavam a meio da tarde de hoje a trocar prisioneiros no leste da Ucrânia, devendo 139 soldados ucranianos ser trocados por 52 combatentes rebeldes, informaram jornalistas da agência France-Presse.

A troca, realizada na linha da frente, na cidade de Zholobok, 40 quilómetros a noroeste do reduto rebelde de Lugansk, constitui mais uma etapa da aplicação dos acordos de Minsk, que previam a libertação de "prisioneiros e reféns" retidos pelos dois lados.

Alguns dos soldados até agora prisioneiros dos rebeldes estavam feridos e uns poucos utilizavam muletas. Os separatistas disseram que entre os seus prisioneiros estavam soldados ucranianos capturados na ofensiva contra a cidade de Debaltseve esta semana.

As tréguas negociadas pela França e pela Alemanha e assinadas na semana passada em Minsk não impediram combates violentos no leste da Ucrânia, nomeadamente junto ao nó estratégico de Debaltseve, cidade que caiu na quarta-feira nas mãos dos rebeldes separatistas pró-russos.

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, confirmou a troca de prisioneiros através da rede social de mensagens curtas Twitter, referindo: "140 heróis ucranianos deixaram o cativeiro e estarão a caminho de suas casas".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG