Três rapazes que gostavam de desporto e acabaram jihadistas

Irmãos Kouachi perderam a mãe ainda pequenos e viveram seis anos num orfanato. Morte do melhor amigo marcou Amedy Coulibaly

Saïd e Chérif Kouachi eram dois rapazes normais, que viviam com a família num apartamento no 19.º bairro de Paris e andavam na escola. Até que num dia de 1992, tinham eles 12 e 10 anos, respetivamente, chegaram a casa para almoçar e encontraram a mãe sem vida. Seguiram-se anos num orfanato, passagens pela prisão, treinos com a Al-Qaeda no Iémen... Pouco mais de 22 anos depois, a 9 de janeiro de 2015, os dois irmãos foram abatidos pela polícia francesa, dois dias após matarem 12 pessoas no ataque terrorista contra a redação do jornal Charlie Hebdo.

Uma vizinha da família Kouachi lembra-se de levar várias vezes os dois irmãos à Eurodisney, o parque de diversões nos arredores de Paris. Em declarações ao site Reporterre, Evelyne contou que Chérif era particularmente impertinente e turbulento. Saïd, que embora mais velho era o seguidor, tinha uma personalidade mais discreta.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG