Syriza desvaloriza sondagens e continua a acreditar numa maioria

ANEL vai continuar a apoiar Alexis Tsipras. Unidade Popular acredita que o novo governo será uma aliança entre quatro partidos

Em semanas, o Syriza passou de uma vitória com maioria a um empate técnico com a Nova Democracia, tendo na quarta-feira havido mesmo uma sondagem que colocava os conservadores à frente. Mas ontem o partido de Alexis Tsipras continuava a mostrar-se confiante na vitória nas eleições do próximo dia 20.

Para vários responsáveis do Syriza, escreveu ontem o jornal Protothema, as sondagens divulgadas até ao momento não são reflexo da realidade porque um grande número de gregos ainda está de férias. E dentro do partido há também quem refira o facto de algumas sondagens antes das eleições de 25 de janeiro não terem dado o Syriza como vencedor e outras relativas ao referendo de 5 de julho apontarem para uma vitória do sim. "Os nossos objetivos continuam a ser uma maioria absoluta no Parlamento e fazer uma coligação com o ANEL", garantiu ontem à Mega TV Panos Skourletis, ex-ministro e colaborador próximo de Alexis Tsipras.

O desejo de repetir a coligação governamental saída das legislativas de janeiro foi ontem, e mais uma vez, reafirmado pelo líder do ANEL. "Quando tive a oportunidade de me tornar um herói e derrubar o governo preferi apoiar este homem que lutou sozinho como um leão em Bruxelas. Eu apoiei o primeiro-ministro grego e vou apoiá-lo outra vez", declarou Panos Kammenos à rádio da agência ANA-MPA.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.