Superbactéria resistente a antibióticos encontrada nas águas dos Olímpicos de 2016

"O Rio é um fiasco autêntico" disse um biólogo, após a descoberta das bactérias nas águas onde se vão realizar as provas de vela nos Jogos Olímpicos do Rio.

Investigadores brasileiros encontraram superbactérias resistentes a antibióticos na Baía do Rio, local onde vão ser realizadas as provas de Vela nos Jogos Olímpicos de 2016, e alertam que pode não haver condições para receber a competição.

As bactérias resistentes a antibióticos foram encontradas num rio que desagua na Praia do Flamengo, na Baía do Rio.

Até agora, nenhuma pessoa foi infetada, mas o contacto com estas bactérias pode causar infeções que necessitam de cuidados hospitalares. Estas infeções não são mais graves que outras lesões causadas por outras bactérias, mas podem requerer internamento e tratamentos com outros antibióticos mais tóxicos.

"O Rio de Janeiro no século XXI tem o mesmo saneamento que tinha no século XVIII. Todos os rios da cidade estão transformados em esgotos", declarou hoje o biólogo Mario Moscatelli. "O Rio é um fiasco autêntico e o Comité Olímpico tem fechado os olhos", concluiu.

Segundo o biólogo, a Baía do Rio não está em condições de receber os Jogos Olímpicos porque nada foi feito.

Um plano de limpeza foi aprovado para combater a poluição nos locais das provas dos Jogos Olímpicos de 2016 mas as autoridades brasileiras afirmam que não vai ser possível limpar a baía na sua totalidade.

Em agosto, nos primeiros testes olímpicos no Rio de Janeiro, o campeão olímpico Nathan Outteridge atingiu um cão morto com o seu barco, enquanto outros navegadores informaram ter visto outros animais mortos e eletrodomésticos a flutuar na água.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.