Schäuble desafia governo grego a referendar acordo

Bruxelas. Eurogrupo sem progressos sobre acordo credores-Grécia. Varoufakis pressiona BCE e Maria Luís diz que negociações melhoraram desde que ele não coordena equipas gregas

O ministro das Finanças alemão criticou ontem o governo grego pelo tempo perdido nas negociações e sugeriu que a decisão sobre o programa de assistência saia da alçada do ministério das Finanças e seja entregue aos eleitores. "As alternativas estão nas mãos da Grécia e podem decidir-se por um referendo", disse Wolfgang Schäuble à entrada para a reunião do Eurogrupo, em Bruxelas, alertando para a situação difícil em que Atenas se encontra atualmente, pois "precisa de fazer grandes esforços para implementar um conjunto de medidas incluídas no programa".

A Grécia enfrenta hoje a obrigação de devolver ao FMI 750 milhões de euros. Numa tentativa de forçar uma decisão ontem, fontes do governo grego admitiram a possibilidade de o montante não ser entregue na data prevista. Mas no final ninguém se mostrou disponível para ceder a pressões e surgiram notícias de que o pagamento já fora autorizado por Atenas.

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, afirmou esperar que não seja preciso chegar ao ponto de a Grécia entrar em incumprimento. "Esperamos chegar a um acordo antes disso. Em termos políticos, o prazo é o final do mês de junho. Todas as semanas em que as negociações continuam, temos menos tempo para a implementação".

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG