Rajoy determinado a combater a "roleta russa" do populismo

Presidente do governo espanhol e líder do PP dedicou parte importante da sua intervenção final a atacar o Podemos, de Pablo Iglesias.

Não há alternativa ao Partido Popular (PP) no poder em Espanha, assegurou ontem Mariano Rajoy na sessão de encerramento do congresso que decorreu em Madrid. À volta do PP só há as incertezas da "roleta russa do populismo" e a "incompetência económica" dos socialistas, acrescentou.

O chefe do governo espanhol e presidente do PP referia-se não só ao Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), de Pedro Sánchez, mas principalmente ao Podemos, de Pablo Iglésias, que tem surgido em diferentes sondagens como primeiro ou segundo partido nas intenções de voto, alternando com o PSOE. O PP surge em terceiro.

De facto, algumas das afirmações mais perentórias de Rajoy tiveram como alvo o partido de Pablo Iglésias. "Não é o mesmo apresentar doutrinas num debate televisivo e defender os interesses de Espanha num Conselho Europeu. Os problemas difíceis não se resolvem com afirmações messiânicas. Alguns confundem a política com o sermão da montanha", disse o líder do PP, para quem "é muito fácil prometer a Lua e até o Sol".

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.