Rajoy cede à pressão, admite reformas no PP e sugere eleições em novembro

Previstas até fim do ano, legislativas devem ter lugar a 22 ou 29 de novembro. Nem todos querem o primeiro-ministro candidato.

Algo está a mudar no Partido Popular. Os resultados eleitorais deixaram a primeira força política de Espanha numa situação muito frágil e já se começam a sentir os efeitos dentro do partido. O primeiro-ministro, Mariano Rajoy, reconheceu ontem nos corredores do Congresso, perante os microfones dos jornalistas, que no PP "vamos tomar aos poucos as decisões que achemos mais oportunas e que convêm mais para nos apresentarmos às eleições gerais da melhor forma possível e pedir aos espanhóis que voltem a confiar em nós".

Tanto dentro do partido como no governo, "as mudanças irão anunciar-se depois de acontecerem, como é lógico". E sobre a saída de alguns dos barões do PP, Rajoy reconhece que "há algumas pessoas no partido, alguns que foram candidatos, que não se vão apresentar nos próximos escrutínios porque consideram que o resultado não foi satisfatório e não querem continuar".

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Exclusivos