Quem é Josephine Witt, a jovem alemã que atacou Mario Draghi no BCE?

Na quarta-feira, em Frankfurt, saltou para cima da mesa durante a conferência do presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, atirando-lhe confetis e papéis.

Trata-se de Josephine Witt, uma jovem alemã de 21 anos, estudante de Filosofia. Já chegou a colaborar com as Femen, tendo participado em abril de 2013, em Hannover, num protesto contra o presidente da Rússia Vladimir Putin. Em maio do mesmo ano foi presa em Tunes, na Tunísia, depois de protestar contra a prisão da ativista Amina Tyler. E em dezembro, também de 2013, entrou na catedral de Colónia, na Alemanha, com a frase "Eu sou deus" escrita no corpo e foi multada.

"A cara assustada de Draghi pareceu-me algo maravilhoso e divertiu-me muito ver a sua reação. Eu sorri porque vi que é possível mudar a narrativa (...) A cara assustada de Mario Draghi é um passo para mudar a narrativa de levar a democracia a instituições como o Banco Central Europeu. Com este ato demonstrei que podemos mudar as coisas", contou Josephine à edição Verne do El País, numa conversa telefónica hoje divulgada no site deste media.

Questionada sobre como entrou na sede do BCE, em Frankfurt, a jovem alemã explicou: "Como toda a gente: simplesmente fiquei na fila à porta e entrei. Para me registar, aí sim, tive que dizer uma pequena mentira: só podiam entrar jornalistas e eu não o sou, mas disse que era da Vice. Veio-me à cabeça esse meio de comunicação porque não é muito conhecido e nele trabalham muitos jovens".

Quando saltou para cima da mesa de Draghi, a meio da conferência de imprensa, Josephine Witt lançou-lhe "confeti" para cima e folhas com as seguintes frases: "somos donos das nossas vidas" e não somos "fichas no jogo de apostas do BCE, para jogar, para vender, para sermos devastados". Vestida tinha uma T-Shirt em que criticava a "ECB dick-tatorship". Ao Verne do El País explicou porque usou "confeti": "Queria que o protesto fosse colorido e pacífico. Os violentos são eles, que lançam granadas de gás lacrimogéneo" aos manifestantes.

Sobre a sua ligação às Femen, grupo em que as ativistas costumam protestar de seios à mostra, com frases de protesto escritas no corpo, a jovem alemã esclareceu que já colaborou com elas mas que agora é "ativista freelance" e trabalha "por conta própria".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...