Presidente moçambicano cessante visita a Itália e vai encontrar-se com o Papa

Armando Guebuza chega a Itália na sexta-feira e irá ao Vaticano, onde será recebido pelo Papa Francisco.

O Presidente cessante de Moçambique, Armando Guebuza, visita, a partir de terça-feira, a Itália e o Vaticano, onde será recebido pelo papa Francisco, anunciou hoje o porta-voz da presidência, Edson Macuacuá.

A visita de trabalho a Itália resulta de um convite dirigido pelo primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, e, segundo Edson Macuacuá, deverá incluir a assinatura de um acordo trienal de cooperação entre os dois países.

"Esperamos que com esta visita do Presidente Armando Guebuza à República italiana, se possa reforçar e incrementar as relações de cooperação", declarou o porta-voz.

No programa de cinco dias da deslocação de Guebuza, a segunda desde 2007, estão previstos encontros com Renzi, com o Presidente italiano, Giorgio Napolitano, com a comunidade moçambicana, com empresários e ainda com a Comunidade de Sant' Egideo, que mediou o Acordo Geral de Paz em 1992, encerrando 16 anos de guerra civil em Moçambique.

A visita a Itália é interrompida a 04 de dezembro, dia em que o Presidente moçambicano é recebido pelo papa Francisco, no Vaticano.

"As relações são excelentes, a atuação da Igreja Católica em Moçambique é excelente, o Estado é parceiro das confissões religiosas, e particularmente da Igreja Católica que tem tido um papel fundamental nos processos de pacificação do país, promoção da reconciliação nacional, harmonia social e moralização da sociedade", afirmou hoje Edson Macuacuá.

Matteo Renzi esteve em Maputo a 19 de julho, tornando-se no primeiro chefe de governo italiano a visitar Moçambique.

Na ocasião, Armando Guebuza manifestou o desejo de que as históricas ligações políticas e diplomáticas com Itália se convertam em mais investimentos no seu país.

A "excelência das relações bilaterais" deve servir de impulso às relações económicas, segundo Guebuza, enaltecendo o fortalecimento gradual de Itália neste campo, tornando-a num "parceiro privilegiado" nos setores de hidrocarbonetos, em particular o gás, energia, infraestruturas e interesse declarado na agroindústria.

"Contudo, há que reconhecer que mais deverá ser feito para que o lugar que Itália ocupa na grelha dos maiores investidores neste país seja consentâneo com a qualidade das relações entre os nossos dois países", declarou o Presidente moçambicano cessante.

Itália é o nono maior investidor externo em Moçambique, onde a petrolífera italiana ENI lidera um dos principais blocos de exploração de gás natural no norte do país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG