Parlamento francês rejeita moção de censura ao Governo e aprova nova lei laboral

A Assembleia nacional (parlamento) francesa rejeitou hoje por larga maioria a moção de censura apresentada pelos partidos da oposição de direita contra o Governo socialista de Manuel Valls.

Em paralelo, os deputados aprovaram a "lei de crescimento e atividade" proposta pelo ministro da Economia, Emmanuel Macron -- na origem da moção de rejeição --, que prevê entre diversas medidas a extensão ao domingo dos dias de trabalho e uma alteração ao código do trabalho.

Este projeto de liberalização económica provocou fraturas na maioria de esquerda.

A moção de censura obteve 234 votos, longe dos 289 votos necessários para derrubar o Governo, anunciou o socialista Claude Bartolone, presidente da Assembleia.

Todos os 198 deputados da conservadora União para um movimento popular (UMP), principal partido da oposição, votaram a favor da queda do Governo.

No entanto, outros grupos mostraram-se mais divididos, como a centrista União de democratas e independentes (UDI), que apresentou a moção em conjunto com a UMP, como sete dos seus deputados a recusarem um voto favorável.

A Frente de Esquerda (FG), que tinha anunciado um apoio à medida, também acabou por se dividir, com apenas seis dos seus 15 deputados a legitimarem a medida.

A rejeição da moção já era aguardada, pelo facto de os deputados socialistas que recusaram votar a "lei Macron" demasiado "liberal" na sua perspetiva, tinham anunciado que as suas divergências não implicavam que juntassem os seus votos à oposição de direita.

Antes da votação, o primeiro-ministro Manuel Valls tinha justificado o compromisso do seu governo com a nova lei laboral, definida como "um ato de autoridade" face à "irresponsabilidade, à imaturidade de alguns", numa alusão aos deputados dissidentes do Partido Socialista (PSF).

"A autoridade, é assumir as suas responsabilidades quando o exige o interesse superior da nação", repetiu, enquanto o Executivo associava o texto aos objetivos reformadores apontados pela Comissão Europeia.

Exclusivos