Papa Francisco afasta cardeal por ser contra direitos dos homossexuais

Cardeal norte-americano Raymond Burke foi afastado da presidência do Supremo Tribunal do Vaticano porque não concorda com uma postura mais liberal da igreja.

A notícia foi avançada pelo portal Buzzfeed, um agregador de conteúdos e notícias online, ao qual o cardeal confirmou a sua "despromoção" numa conversa telefónica. Foi a confirmação dos rumores que se arrastavam há algumas semanas. "É uma deceção sair", dsse Raymond Burke. "Por outro lado, enquanto padres da igreja, temos de estar sempre prontos para aceitar qualquer função que nos seja atribuída. E por isso, confio que ao aceitar esta função, Deus irá abençoar-me e isso é o mais importante", concluiu.

Ultraconservador, Burke já dissera no passado que a discriminação dos homossexuais era "perfeitamente justa e legítima". O próprio explicou agora que ainda não recebeu notificação oficial da sua transferência, mas irá assumir o lugar de patrono da Ordem Soberana e Militar de Malta.

O cardeal tem sido uma das vozes mais ativas contra a modernização da igreja, manifestando a sua intransigência em relação a um eventual acolhimento dos casais homossexuais no seio da igreja católica. Ao Buzzfeed, Burke disse ainda que o sínodo dos bispos católicos que hoje termina parece ter sido concebido para "enfraquecer os ensinamentos e a prática da igreja", aparentemente com a bênção do papa Francisco.

A ala mais conservadora da igreja tem vindo a manifestar o seu descontentamento sobretudo nas semanas que antecederam o sínodo no Vaticano. Alguns cardeais, incluindo Raymond Burke, chegaram mesmo a publicar um livro em vários idiomas atacando as ideias do cardeal alemão Walter Kasper, que defende que os divorciados que voltem a casar devem ter a possibilidade de comungar.

A revolta dos ultraconservadores acentuou-se já durante o sínodo, com a publicação de um documento apresentado como resumo do debate em curso, e que os cardeais alegaram não representar as suas opiniões, uma vez que incluía expressões como "acolher os homossexuais" e discutia a proposta de Kasper em relação aos divorciados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG