"Olha-te ao espelho", pede barão do PP a Mariano Rajoy

Espanha. PSOE diz não a Aguirre e prefere apoiar Carmena para a Câmara de Madrid. Velha guarda do partido critica discurso do primeiro-ministro após a queda eleitoral de domingo.

Mariano Rajoy já começou a receber críticas dentro do seu partido. O presidente em funções de Castela e Leão, Juan Vicente Herrera, um dos barões do Partido Popular, aconselhou ontem o primeiro-ministro a "olhar-se ao espelho" antes de decidir se deve ser ou não o candidato dos populares às legislativas de novembro. Mas não é o único: Alberto Fabra, líder do PP da Comunidade Valenciana, anunciou que não voltará a ser candidato pelo partido. Esperanza Aguirre, presidente dos populares de Madrid, e Juan Manuel Moreno, líder do PP na Andaluzia, são algumas das figuras que dizem que é hora de uma mudança.

Numa entrevista à rádio Onda Cero, Herrera reconheceu que é o momento de "apostar numa regeneração dentro do partido", onde deveriam ter mais protagonismo homens como o deputado Pablo Casado. Considerou que Rajoy é um "um homem de honra", mas nem por isso deixou de dizer algumas palavras duras contra ele: "Quando no país dos cegos o tonto é o rei, algo vai muito mal."

Afirmando que o primeiro-ministro deve "comunicar melhor", Herrera, que perdeu no domingo a maioria absoluta, disse ser necessário "mudar atitudes", pois o partido saiu derrotado nas eleições por ter usado excessivamente o discurso da retoma. O líder de Castela e Leão considera que este mau resultado está relacionado com "a falta de sensibilidade e arrogância" do ministro da Indústria, Energia e Turismo, José Manuel Soria, no tema das minas de carvão.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.