Nyusi diz ao povo de Moçambique: "As boas ideias não têm cor política"

Novo chefe do Estado moçambicano, da Frelimo, Filipe Nyusi, prometeu um governo prático e pragmático. Tomada de posse não contou com a Renamo

Maputo acordou ontem chuvosa, o que, na tradição africana, costuma significar bênção. Neste caso, para Filipe Jacinto Nyusi, que foi investido, de manhã, como novo presidente moçambicano. A marcar a data, além da chuva, esteve o boicote do principal partido da oposição, a Renamo, que alega fraude eleitoral no sufrágio que deu vitória a Nyusi e à Frelimo.

O palco para a festa da tomada de posse do quarto presidente da República de Moçambique foi marcada pela ausência do líder da Renamo, Afonso Dhlakama. Na véspera, figuras ligadas ao partido Frelimo, no poder desde 1975, já diziam que "faça chuva, faça sol", a cerimónia teria lugar.

Contrariamente ao que se esperava (uma casa cheia de gente) com a tolerância de ponto dada pelo governo, o evento acabou por não atrair uma grande multidão. Muitos preferiram ficar em casa a acompanhar através da televisão, com medo de eventuais episódios de violência. Outros estiveram simplesmente ocupados com os seus afazeres.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG