Nigel Farage recusa ser fazedor de reis a três meses das legislativas britânicas

Líder do UKIP disse no lançamento da campanha que não fará parte de uma coligação de governo. E que qualquer acordo passa pela realização imediata de um referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

Os conservadores do primeiro-ministro David Cameron são um "partido regional do Sul de Inglaterra" e os trabalhistas de Ed Miliband desempenham o mesmo papel no Norte do país. O UKIP, que defende a saída do Reino Unido da União Europeia, é "o único verdadeiro partido nacional" e será o principal pretendente "em virtualmente todas as circunscrições desde Birmingham até à muralha de Adriano". Quem o diz é o líder do UKIP, Nigel Farage, que recusa a ideia de ser o fazedor de reis após as eleições de maio de 2015, afastando a hipótese de entrar numa coligação formal de governo com qualquer dos dois partidos.

"Não vamos entrar numa coligação, independentemente de quão tentadores possam ser os carros dos ministros", afirmou Farage no discurso de lançamento da campanha do UKIP, num cinema (houve mesmo pipocas em sacos com o símbolo do partido) na região de Essex. "Só vamos chegar a acordo na condição de ser realizado imediatamente um referendo para a saída da União Europeia", acrescentou. Cameron já prometeu um referendo para o final de 2017, caso vença as eleições.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG