Morsi condenado à pena de morte, Mubarak pronto para ser libertado

Primeiro presidente egípcio eleito democraticamente condenado à pena capital quatro anos após a Primavera Árabe. Irmandade Muçulmana e ONG denunciam sentença.

Quatro anos depois da chamada Primavera Árabe, o primeiro presidente civil democraticamente eleito no Egito, Mohamed Morsi, foi ontem condenado à pena de morte por um tribunal do país. Morsi pode recorrer e a pena capital está ainda sujeita a um parecer final de mufti Shawqi Allam, embora este não seja vinculativo. A decisão definitiva é esperada a 2 de junho. Organizações de direitos humanos como a Amnistia Internacional, a Irmandade Muçulmana e o presidente turco já contestaram a sentença do tribunal. E diplomatas ocidentais referidos pela Reuters consideraram que executar Morsi será um suicídio político para as atuais autoridades egípcias, lideradas pelo general Al-Sisi, presidente do país e líder do golpe de Estado que em 2013 derrubou Morsi.

"Este é um veredicto político, representa um crime de homicídio que está prestes a ser cometido e que deve ser travado pela comunidade internacional", disse à Reuters, em Istambul, Amr Sarrag, cofundador do dissolvido Partido da Liberdade e Justiça - ala política da Irmandade Muçulmana. Este grupo islâmico foi legalizado por Morsi depois de ter sido excluído durante décadas por Hosni Mubarak - cujo regime foi derrubado pela chamada Primavera Árabe. Após o golpe do general Al-Sisi, a Irmandade Muçulmana foi classificada como grupo terrorista, a maioria dos seus líderes presa e muitos dos seus apoiantes mortos.

Num comício realizado também em Istambul o presidente da Turquia, Recep Erdogan, acusou o Ocidente de "fechar os olhos" ao golpe de Estado de 2013 que afastou Morsi do poder e afirmou: "O presidente eleito pelo povo do Egito foi infelizmente condenado à morte. O Egito volta ao Egito antigo".

LEIA MAIS NA EDIÇÃO IMPRESSA OU NO E-PAPER DO DN

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.