Morreu homem atingido na cabeça em tiroteio junto a sinagoga em Copenhaga. Dois polícias feridos. Busca pelo atirador prossegue

O segundo tiroteio em menos de 10 horas na capital dinamarquesa matou um homem, atingido na cabeça, e feriu dois polícias. Polícia procura atirador.

Um homem morreu esta madrugada, atingido na cabeça num novo tiroteio em Copenhaga, junto a uma sinagoga no centro da capital dinamarquesa. Duas pessoas, agentes policiais, ficaram feridas e as autoridades procuram o autor dos disparos, tendo isolado parte do centro da cidade.

Segundo a SkyNews, os feridos menos graves, polícias, foram atingidos um num braço e o outro numa perna.

O tiroteio ocorreu logo no início da madrugada. A morte do homem, um civil, foi confirmada pela polícia já perto das 3:00 (hora de Lisboa)

A polícia pediu aos residentes no centro de Copenhaga para que não saiam de casa, tendo sido montado vários postes de controlo na zona, em busca do atirador que saiu do local a pé.

As autoridades não confirmam que haja relação entre este incidente e o ataque a um debate sobre a liberdade de expressão que esta tarde também matou uma pessoa na capital dinamarquesa.

A polícia continua à procura do homem que entrou no café e disparou cerca de 40 tiros, tendo depois fugido num carro que foi pouco depois encontrado abandonado.

(Notícia atualizada às 3:15)

Exclusivos

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.