MNE iraniano condena extermínio de judeus

O ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, disse hoje a uma televisão alemã que o extermínio dos judeus pelos nazis foi "uma tragédia cruel e funesta, que não deve repetir-se jamais".

O ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohammad Javad Zarif, disse hoje a uma televisão alemã que o extermínio dos judeus pelos nazis foi "uma tragédia cruel e funesta, que não deve repetir-se jamais".

"Nós não temos nada contra os judeus e temos um grande respeito por eles no Irão. Nós não nos sentimos ameaçados por ninguém", disse Zarif à estação alemã de televisão Phoenix, à margem da conferência internacional sobre segurança, que decorreu em Munique.

Ao contrário do que afirmou o antigo líder iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, que negou a existência do Holocausto, o novo presidente iraniano, Hassan Rohani, já condenou "o massacre dos judeus pelos nazis".

De acordo com os extratos da entrevista difundida pela estação de televisão, Zarif também afirmou que os "direitos do povo palestiniano foram violados por Israel durante 60 anos", que utiliza "a tática da cortina de fumo".

O chefe da diplomacia do Irão falou igualmente das "difíceis" negociações sobre o programa nuclear iraniano, sublinhando que Teerão "quer romper o círculo vicioso e utilizar todos os meios para instaurar a confiança".

Mesmo assim, disse que o Irão não aceita ser "condenado pelos outros".

No dia 20 de janeiro, Teerão suspendeu atividades nucleares sensíveis, no quadro do acordo conseguido em novembro de 2013 entre o Irão e o grupo 5+1 (China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha).

Os negociadores sobre a questão da energia nuclear do Irão devem reunir-se em Viena, no próximo dia 18 de fevereiro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG