MNE do Irão acusa em Lisboa sauditas de matar civis no Iémen

Teerão quer fim das operações aéreas da Arábia Saudita contra as milícias houthis. Na questão nuclear regime iraniano insiste na ligação automática entre acordo e fim das sanções.

É fundamental encontrar uma solução negociada para a guerra civil no Iémen e trazer para a mesa das negociações todas as partes em conflito, defendeu ontem o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammed Javad Zarif, que falava em Lisboa no final de um encontro com o seu homólogo português, Rui Machete.

Para Javad Zarif, está-se a bombardear "a população civil", criando-se assim um "banho de sangue" de inocentes. Os ataques aéreos da coligação liderada pela Arábia Saudita "não são dirigidos contra objetivos militares, que dificilmente se pode considerar que existam". É, por isso, necessário "um cessar-fogo, o fim dos bombardeamentos aéreos, o acesso de ajuda humanitária à população". Elementos que integram um plano de paz para o Iémen, proposto pelo Irão, que contempla, além do cessar-fogo e do apoio às populações, a criação de um mecanismo de diálogo intra-iemenita e a constituição de um governo de unidade nacional. "Somos uma força importante na região (...) e temos influência junto de muitos grupos no Iémen, não apenas os houthis e os xiitas" - influência que será usada "para trazer todos à mesa das negociações", declarou o ministro iraniano, e pôr termo às operações aéreas sauditas.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG