Milícias de pigmeus reabrem conflito no Congo

Porta-voz militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização da RDCongo indica que conflito provocou 27 mortos numa semana

As Nações Unidas referiram hoje que 27 pessoas foram mortas e diversas feridas numa semana, na sequência de diversos ataques de milícias de pigmeus contra povoações bantus no sudeste da República Democrática do Congo (RDCongo).

As mortes ocorreram durante três ataques efetuados entre 09 e 15 de fevereiro num raio de 160 quilómetros em redor da cidade de Manono, na zona norte da província de Katanga, indicou durante uma conferência de imprensa em Kinshasa o tenente-coronel Felix-Prosper Basse, porta-voz militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização da RDCongo (Monusco).

Desde 2013 que um conflito opõe os bantus, maioritários, aos pigmeus (caçadores-recolectores presentes em diversos países da África Central) no distrito de Taganyika, em particular na zona de Manono.

As informações do porta-voz militar da Monusco parecem confirmar um recrudescimento do conflito, que conheceu um período de acalmia nos últimos meses.

Os confrontos entre milícias dos dois grupos rivais, sobretudo munidos com armas tradicionais (arcos e flechas e machados), ou os ataques a civis por membros dos dois grupos em conflito são regulares e geralmente provocam mortes, pilhagens ou incêndios de aldeias inteiras.

Marginalizados durante muito tempo, os pigmeus pretendem o reconhecimento dos seus direitos, mas as reivindicações colidem com a recusa das populações bantus, tradicionalmente mais apoiadas e protegidas pelas autoridades locais.

No Katanga, e em outras regiões da RDCongo, o modo de vida dos pigmeus está ameaçado pela deflorestação, a exploração de minas e a extensão dos terrenos agrícolas promovidos pelos bantus. Em paralelo, e apesar de alguns progressos, os pigmeus passam a depender totalmente dos bantus para a sua magra subsistência quando são expulsos do seu meio natural.

Os pigmeus também estão instalados nas vastas florestas do norte do país, onde a coabitação é por vezes difícil com as restantes comunidades, sem no entanto se verificaram as violências que afetam a região de Katanga.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.