Merkel condena ataques a refugiados: são uma "mensagem de ódio" repugnante

Angela Merkel condenou os atos de violência xenófoba deste fim de semana na Alemanha. A chanceler alemã fez saber que o seu governo não vai deixar que os refugiados sejam mal recebidos.

A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou esta segunda-feira o que chamou repugnantes atos de violência xenófoba registados no fim de semana em Heidenau, leste da Alemanha, e a "vergonhosa" presença de famílias com crianças em manifestações organizadas por neonazis.

"A chanceler e o governo no seu conjunto condenam com a maior firmeza possível os violentos incidentes e a atmosfera xenófoba" do fim de semana, afirmou o porta-voz da chanceler, Stefan Seibert.

"É repugnante a forma como extremistas de direita e neonazis procuram difundir a sua mensagem de ódio e é vergonhoso que até famílias com crianças os apoiem marchando a seu lado", acrescentou.

A Alemanha, afirmou o porta-voz, é "um país solidário" e não vai deixar que refugiados "em situação difícil" sejam "recebidos com palavras de ódio e gritos de embriagados".

As noites de sexta-feira e sábado foram marcadas em Heidenau (Saxónia) por confrontos entre a polícia e manifestantes de extrema-direita que protestavam contra a abertura de um centro de acolhimento de refugiados.

Este tipo de ataques tem-se multiplicado no leste de Alemanha e Merkel tem sido criticada por não falar sobre eles.

O vice-chanceler, Sigmar Gabriel, visitou hoje Heidenau para manifestar solidariedade, tendo afirmado à imprensa que o país "não vai ceder um milímetro a estes grupos de extrema-direita".

Para Gabriel, as pessoas envolvidas nestes incidentes "nada têm a ver com a Alemanha" e a única resposta válida é "polícia, procuradoria e, se necessário, prisão".

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras