Merkel condena ataques a refugiados: são uma "mensagem de ódio" repugnante

Angela Merkel condenou os atos de violência xenófoba deste fim de semana na Alemanha. A chanceler alemã fez saber que o seu governo não vai deixar que os refugiados sejam mal recebidos.

A chanceler alemã, Angela Merkel, condenou esta segunda-feira o que chamou repugnantes atos de violência xenófoba registados no fim de semana em Heidenau, leste da Alemanha, e a "vergonhosa" presença de famílias com crianças em manifestações organizadas por neonazis.

"A chanceler e o governo no seu conjunto condenam com a maior firmeza possível os violentos incidentes e a atmosfera xenófoba" do fim de semana, afirmou o porta-voz da chanceler, Stefan Seibert.

"É repugnante a forma como extremistas de direita e neonazis procuram difundir a sua mensagem de ódio e é vergonhoso que até famílias com crianças os apoiem marchando a seu lado", acrescentou.

A Alemanha, afirmou o porta-voz, é "um país solidário" e não vai deixar que refugiados "em situação difícil" sejam "recebidos com palavras de ódio e gritos de embriagados".

As noites de sexta-feira e sábado foram marcadas em Heidenau (Saxónia) por confrontos entre a polícia e manifestantes de extrema-direita que protestavam contra a abertura de um centro de acolhimento de refugiados.

Este tipo de ataques tem-se multiplicado no leste de Alemanha e Merkel tem sido criticada por não falar sobre eles.

O vice-chanceler, Sigmar Gabriel, visitou hoje Heidenau para manifestar solidariedade, tendo afirmado à imprensa que o país "não vai ceder um milímetro a estes grupos de extrema-direita".

Para Gabriel, as pessoas envolvidas nestes incidentes "nada têm a ver com a Alemanha" e a única resposta válida é "polícia, procuradoria e, se necessário, prisão".

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.