Memorial ao fundador da Apple desmantelado devido a homossexualidade do sucessor

Um dia depois de Tim Cook ter confessado o seu orgulho em ser gay, um monumento de homenagem a Steve Jobs foi retirado do exterior de uma escola de São Petersburgo.

O monumento, com dois metros de altura e a forma de um iPhone, que fora erigido em São Petersburgo, em 2013, foi agora desmantelado. De acordo com a ZEFS, um grupo de empresas russas que o mandou edificar e que agora o mandou retirar, o memorial era um veículo de "propaganda gay".

"Na Rússia, a propaganda gay e outras perversões sexuais entre menores são proibidas por lei", afirmou a ZEFS, lembrando que o memorial estava acessível a jovens estudantes.

"Depois de o CEO da Apple Tim Cook ter apelado publicamente à sodomia o monumento foi retirado para cumprir a lei federal russa e proteger as crianças de informação que promove a negação de valores familiares tradicionais", acrescenta este grupo de empresas.

O desmantelamento do memorial aconteceu na sexta-feira, um dia depois de Tim Cook ter manifestado o seu orgulho em ser gay, numa declaração publicada na página da Business Week.

"Embora nunca tenha negado a minha orientação sexual, nunca a reconheci publicamente, até agora. Portanto deixem-me ser claro: tenho orgulho em ser gay, e considero que ser gay é uma das maior dádivas que Deus me deu", escreveu Cook, que sucedeu a Steve Jobs, que não era gay, quando este morreu vítima de cancro em 2011.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG