Rússia preocupada com informaçãos obre ataque de Israel

O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia declarou hoje estar "muito preocupado" com a informação de um raide israelita em território sírio, e disse que iria condenar o ataque caso se prove a sua veracidade.

"Se essa informação se confirmar, então estamos a lidar com ataques não provocados contra alvos situados no território de um Estado soberano, que descaradamente infringem a Carta das Nações Unidas e são inaceitáveis, independentemente do motivo utilizado para os justificar", disse o ministério em comunicado.

A Rússia acrescentou que estava a tomar "medidas urgentes" para esclarecer a situação.

"Mais uma vez, apelamos ao fim de toda a violência na Síria, ressaltando a inadmissibilidade de qualquer tipo de intervenção do exterior, e o início de um diálogo sobre a situação na Síria com base nos acordos de Genebra de 30 de junho de 2012", acrescentou a declaração russa.

A Rússia tem indignado os países ocidentais e árabes, ao recusar-se a juntar-se à comunidade internacional que pede a saída do poder do Presidente sírio, Bashar al-Assad.

O exército sírio anunciou na noite de quarta-feira que a aviação israelita "bombardeou diretamente" durante aquela madrugada um centro de investigação militar localizado entre a capital e a fronteira com o Líbano, noticia a AFP.

"Um avião de combate israelita violou o nosso espaço aéreo durante a madrugada e bombardeou diretamente um centro de investigação sobre a melhoria da resistência e autodefesa, na região de Jomrayah, na província de Damasco", afirmou o exército, em comunicado divulgado pela agência noticiosa Sana.

O exército deu conta da existência de duas pessoas mortas e cinco feridas no centro, que sofreu "estragos importantes", em particular no edifício, que "foi parcialmente destruído".

No texto, Israel é ainda acusado de "cooperar com os países hostis ao povo sírio e os seus aliados no interior [da Síria] para atingir os sítios vitais e militares do Estado sírio, para procurar enfraquecer o seu papel de apoio da resistência".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG