Rapper alemão que se tornou jihadista morre na Síria

Um rapper alemão, que se juntou aos jihadistas na Síria, foi morto no domingo na guerra que opõe os grupos rebeldes rivais no leste do país, anunciaram hoje as fontes jihadistas e uma organização não governamental.

Mais conhecido como Deso Dogg, Denis Mamadou Cuspert decidiu fazer parte do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), um grupo ultra radical, e quis que o seu nome de combate fosse Abou Talha al-Almani. Mamadou Cuspert perdeu a vida no domingo num duplo ataque suicida levado a cabo pelos seus rivais da Frente al-Nosra, o ala síria da Al-Qaeda.

"A nação islâmica sangra após o anúncio da morte em martírio do combatente jihadista, o irmão Abou Talha al-Almani.", lê-se numa mensagem escrita num fórum jihadista. "Ele morreu por causa de um atentado suicida reivindicado pelos soldados traidores de Jolani - chefe da al-Nosra - contra uma casa onde estavam os irmãos do EIIL", acrescentou o texto.

O Observatório Sírio dos Direitos do Homem (OSDH), que beneficia de uma ampla rede de militantes, médicos e advogados no país, confirmou que houve um ataque no domingo. O diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane, revelou à AFP que dois membros da Frente al-Nosra se fizeram explodir, matando 16 membros do EIIL. Rahmane disse ainda que um combatente conhecido pelo nome de Abou Talha foi morto durante a tragédia, que teve lugar nas províncias de Deir Ezzor e Hassaka.

A al-Nosra, aliada dos rebeldes islâmicos, entrou em guerra desde o início de janeiro com o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, a quem acusa de brutalidade contra os civis e seus opositores. Como consequência, esta ação resultou num conflito sem misericórdia e atentados recíprocos.

O rapper alemão apareceu em vários vídeos e fotografias e, em setembro de 2013, ficou ferido num ataque aéreo. Cerca de 10 000 estrangeiros combatem na Síria contra o regime de Bashar al-Assad.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG