Mais de 100 civis mortos num ataque do exército em Homs

Mais de 100 civis morreram na terça-feira durante um ataque do exército sírio nos arredores de Homs, no centro de país, informou hoje o Observatório Sírios dos Direitos Humanos (OSDH).

"O regime sírio cometeu um novo massacre na terça-feira e causou 106 vítimas, incluindo mulheres e crianças, durante um ataque", iniciado na manhã que se prolongou por 24 horas, acrescentou a organização não-governamental, com sede em Londres, que se apoia numa extensa rede de militantes e de médicos presentes no terreno.

O jornal Al-Watan, próximo do regime sírio, afirmou que o exército "conseguiu avançar" nos arredores de Homs, eliminando "homens armados", um termo oficial para designar os rebeldes.

Militantes na zona, citados pelo OSDH, disseram que os rebeldes não estão naquela zona, a cinco quilómetros do centro de Homs. A organização referiu que perto de um milhar de deslocados, que fugiram dos bombardeamentos contra Homs, está no local.

Em comunicado, o OSDH pediu à ONU para enviar urgentemente uma comissão de inquérito para avaliar a situação dos direitos humanos em Homs, que os militantes antirregime apelidam de "capital da revolução", denunciando o "silêncio internacional" sobre esta cidade cercada e bombardeada há meses pelo exército sírio.

As Nações Unidas denunciaram recentemente uma "proliferação dos crimes de guerra" na Síria, onde mais de 60.000 pessoas morreram desde o início, a 15 de março de 2011, de uma revolta contra o regime de Bachar al-Assad.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.