Quase três milhões de muçulmanos na peregrinação

Cerca de três milhões de muçulmanos participaram na peregrinação a Meca deste ano, que continua hoje com o 'apedrejamento de Satanás' no vale de Mina, próximo da cidade santa, anunciou o departamento saudita de estatísticas.

O departamento oficial de estatísticas saudita, citado pela agência France Presse, precisou que 2.927.717 fiéis participaram no Hajj deste ano, sendo que 1.828.195 vieram do estrangeiro e 1.099.522 eram sauditas e residentes estrangeiros no Reino da Arábia Saudita.

Os números avançados nos últimos dias referiam mais de dois milhões de fiéis em Meca.

O príncipe Khaled Al-Fayçal, governador de Meca, estimou em cerca de 1,5 por cento o aumento de peregrinos vindos este ano do estrangeiro em comparação com 2010.

O Hajj, a peregrinação anual a Meca, e a maior do género em todo o mundo, é um dos cinco pilares do Islão que todos os fiéis devem cumprir pelo menos uma vez na vida, se tiverem recursos para tal.

A peregrinação deste ano decorreu sem incidentes relevantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.