Perdeu 26 kg e ganhou ouro no valor de dois mil euros

O Dubai ofereceu ouro aos vencedores de uma competição para perder peso, no quadro de uma iniciativa para combater a obesidade neste país do Golfo. No total, foram distribuídos 16,82 kg de ouro, no valor de 762 942 dólares (568 638 euros), a 2648 pessoas.

Os organizadores da campanha "o seu peso em ouro" tinham prometido aos participantes um grama de ouro por cada quilo perdido, desde que perdessem pelo menos dois quilos a partir de 16 de agosto, no final do mês de jejum do Ramadão.

Um arquiteto sírio, Ahmad al-Cheikh, de 27 anos, conseguiu o primeiro prémio, equivalente a 2738 dólares (2040 euros), depois de ter perdido 26 quilos. Ahmad pesava no início da competição 146,7 kg.

"Inscrevi-me com 15 dias de atraso nesta campanha e estava preocupado porque pensava que estava em desvantagem em relação a outros participantes", indicou Ahmad ao jornal 'Gulf News'.

As pessoas que ficaram em 2.º e 3.º lugar perderam 23 e 22 kg, respetivamente.

Durante o Ramadão, os muçulmanos não comem, bebem ou fumam entre o nascer e o por do sol. Mas muitos exageram depois durante a noite, apesar de serem informados dos riscos de tais excessos para a saúde.

Vários países do Golfo lutam para reduzir a taxa de obesidade na sua população.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.