Palestiniano que morreu numa prisão em Israel foi torturado

O cidadão palestiniano que morreu no sábado numa prisão em Israel, foi vítima de tortura, anunciou hoje o ministro palestiniano responsável pelos prisioneiros, contrariando assim a tese de morte por causa de um ataque cardíaco.

Arafat Jaradat, de 30 anos, foi detido pelo exército israelita na segunda-feira passada em incidentes em Hebron, sul da Cisjordânia, tendo morrido no sábado numa prisão em Israel.

As autoridades israelitas afirmaram que o detido morreu aparentemente de crise cardíaca, mas o ministro palestiniano responsável pelos prisioneiros, Issa Qaraqae, alertou que a vítima esteve sujeita a interrogatório.

Um oficial palestiniano garantiu hoje que, feita a autópsia, Jarafat foi torturado até à morte, apresentando fraturas no corpo e na cabeça.

Arafat Jarat era membro da brigada de mártires Al-Aqsa, o braço armado da Fatah.

Sobre este caso, um porta-voz da polícia israelita escusou-se a prestar qualquer comentário, de acordo com a agência France Press, indicado que "está em curso uma investigação".

O detido não fazia parte do grupo de palestinianos detidos em Israel e que têm feito sucessivos períodos de greve de fome, e que têm levado à realização de manifestações de solidariedade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.