Fortes medidas de segurança nas manifestações do Egito

As autoridades egípcias puseram em marcha fortes medidas de segurança para tentar controlar as manifestações previstas para hoje, diz em que se assinala, 40 anos da guerra israelo-árabe do Yom Kippur. Manifestantes pró-regime e apoiantes islamitas do ex-presidente Mohamed Morsi convocaram ambos ações e há para já notícia de um morto e breves incidentes entre os dois campos.

O Exército egípcio, constatou o repórter Haitham el-Tabei, da AFP, mobilizou veículos blindados para as ruas do Cairo.

Os anti-Morsi pediram aos egípcios que saíssem às ruas para apoiar o Exército. Os partidários do presidente deposto pelo golpe de 3 de julho fizeram o mesmo tipo de apelo mas para denunciar a repressão de que os islamitas apoiantes de Morsi têm sido alvo desde que aconteceu esse golpe.

Desde 14 de agosto, data em que foram mortas centenas de manifestantes pró-Morsi que acamparam em praças do Cairo, já foram presos mais de dois mil membros da Irmandade Muçulmana, que apoiava o primeiro presidente eleito da era pós-Hosni Mubarak.

Este foi derrubado do poder durante a chamada Primavera Árabe, em 2011, com protestos que estiveram sempre concentrados na emblemática Praça Tahrir. Hoje, quem quisesse entrar nessa praça tinha que passar por um apertado controlo de segurança, como mostra, aliás, esta imagem captada por fotógrafos da agência Reuters.

Hoje, ao início da tarde, uma pessoa morreu em Delga, no centro do Egito, em novos confrontos, que levaram a polícia a dispersar os islamitas, relata a AFP. Na sexta-feira, quatro pessoas tinham morrido no Cairo durante mais confrontos entre os apoiantes islamitas de Morsi e os seus opositores e as forças de segurança.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.