20 mortos em explosão de carro armadilhado em Damasco

Uma viatura armadilhada explodiu hoje junto a uma mesquita dos arredores de Damasco matando pelo menos 20 pessoas, entre as quais três crianças, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A explosão ocorreu em Suq Wadi Barada, uma localidade 40 quilómetros a noroeste da capital síria controlada pelos rebeldes mas em cuja saída estão posicionadas tropas do regime, segundo o OSDH.

A agência estatal Sana noticiou a explosão, atribuindo-a a "terroristas", termo usado pelo regime para designar as forças da oposição.

"O automóvel explodiu quando os terroristas o carregavam de explosivos junto à mesquita Usama Bin Zeid. Morreram terroristas e civis", noticiou a agência.

"Dois cadáveres foram levados para o hospital Moassat, incluindo o de uma criança de sete anos. Trinta pessoas ficaram feridas, a maioria em estado crítico", acrescentou.

Segundo os rebeldes, no entanto, o ataque foi lançado por forças leais ao regime. Um ativista não identificado filmou o local após a explosão, mostrando cadáveres cobertos com panos, e atribuiu-a a forças pró-regime.

O conflito sírio já fez mais de 115.000 mortos desde março de 2011, segundo o Observatório.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.