1,5 milhões de peregrinos muçulmanos em Meca

Quase 1,5 milhões de muçulmanos reunem-se hoje junto ao Monte Arafat, na Arábia Saudita, no momento alto da peregrinação anual a Meca, onde os fiéis rezam pela paz e pelo fim do derramamento de sangue na região.

"Orarei todo o dia para que a situação no mundo muçulmano melhore e para que cesse o derramamento de sangue nos países árabes", disse à France Press Saïd Dherari, reformado argelino de 61 anos-

Sentado no chão, o sírio Ahmed Khater, lê o Corão e reza pela vitória dos oprimidos no seu país, onde a guerra civil já terá feito mais de 115 mil mortos em dois anos. Ahmed, de 75 anos, implora "a Deus para que todos os muçulmanos vivam em segurança".

O governandor de Meca, o príncipe Khaled al-Fayçal, espera que perto de 1,5 milhões de fiéis participem na peregrinação deste ano. No total, 1,38 milhões de peregrinos vieram do estrangeiro e 117 mil fiéis do interior do reino tiveram autorização para participar no "hajj". Isto significa uma redução do múmero de peregrinos para cerca de metade do ano passado.

O "hajj", a maior peregrinação anual do mundo, é um dos cinco pilares do islão, que todos os fiéis devem cumprir pelo menos uma vez na vida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.