A heroína árabe contra o Estado Islâmico

Aos 35 anos de idade, Miriam Hassam Salem al-Mansuri tornou-se uma espécie de heroína na luta contra os jihadistas do Estado Islâmico. Major da Força Aérea dos Emirados Árabes Unidos, que em 2007 se tornou a primeira mulher piloto do país, participou nos bombardeamentos de segunda-feira à noite sobre a Síria. O nome Al-Mansouri, em árabe, significa "a conquistadora".

"Muito qualificada, altamente treinada, pronta para o combate e líder da nossa missão", assim a descreveu Yusef al-Otaiba, o embaixador dos Emirados Árabes Unidos nos Estados Unidos. O diplomata, cujo país integra a coligação internacional liderada pelos EUA contra o Estado Islâmico, explicou, à NBC News, como é que os norte-americanos souberam do envolvimento de Miriam na missão: "Os pilotos do avião-tanque dos Estados Unidos fizeram um contacto a pedir reabastecimento no ar para a missão dos Emirados Árabes Unidos. Quando lhes respondeu uma voz feminina ficaram em silêncio durante 20 segundos".

A notícia espalhou-se e Miriam, que pilota um caça F-16 Block 60, foi entrevistada para a CNN pela conhecida jornalista Becky Anderson: "Qualquer mulher que queira entrar num terreno dominado por homens depara-se com os mesmos problemas, preconceitos e estereótipos. Pus-me à prova para demonstrar que sou tão talentosa como os homens", disse a major, que usa 'hijab' - lenço islâmico que cobre a cabeça e é usado pelas muçulmanas. Ao destacá-la para a missão, os Emirados Árabes Unidos pretendem infligir não só um golpe militar no Estado Islâmico, mas também um golpe ideológico. Isto porque os jihadistas, que dizem querer formar um califado a partir dos territórios da Síria e do Iraque, têm reprimido as mulheres, obrigando-as a cobrirem todo o corpo com 'niqab' ou 'burqa'- deixando apenas os olhos à mostra -, a andarem armadas, a não ouvirem música, entre outras coisas.

A reação nas redes sociais não se fez esperar:"Tomem lá terroristas sexistas! As mulheres dos Emirados Árabes Unidos fazem chover a igualdade a partir do ar", escreveu, no Twitter, uma professora do emirado de Abu Dhabi, que usa esta rede social com o 'hastag' @ArabScarab. "Olá, Estado Islâmico. Quem vos bombardeou foi uma mulher. Passem um bom dia", escreveu, também no Twitter, Oula Abdullamid, analista do Washington Institute, citada pelo 'El Mundo'.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG