85 cadáveres retirados dos escombros, mortos elevam-se a 985

Pelo menos 85 cadáveres de homens, mulheres e crianças foram resgatados hoje em Gaza pelos serviços de emergência durante os trabalhos nos escombros realizadas nas primeiras seis horas do cessar-fogo entre o movimento islamita Hamas e Israel.

Segundo o ministério da Saúde de Gaza, o número de vítimas mortais da ofensiva militar israelita contra Gaza está já muito próxima de um milhar e poderá ser superada nas próximas horas, já que continuam as buscas entre os escombros de centenas de edifícios que foram destruídos.

"Em 19 dias de bombardeios e ataques, o número de mortes ascende a 985 pessoas e a de feridos suportou os 6.000", até agora, indicou uma fonte em comunicado citado pela Efe.

Os intensos e constantes ataques por terra, mar e ar, o exército israelita sobre Gaza, especialmente castigada nas regiões do Sul e do Norte, não tinham permitido até agora que ambulâncias e membros de equipas médicas se aproximassem de algumas áreas.

O movimento islamita Hamas e Israel chegaram a acordo para um cessar-fogo de 12 horas para permitir o acesso de uma janela humanitária.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.