Martin Schulz critica especulações sobre a saída da Grécia do euro

Presidente do Parlamento Europeu repreende as especulações feitas quanto à saída da Grécia do euro e pediu que sejam evitados comentários.

O presidente do Parlamento Europeu (PE), Martin Schulz, qualificou "de irresponsáveis" as especulações sobre uma possível saída da Grécia do euro e garantiu que esta questão não admite debate, noticiou hoje o diário alemão Die Welt.

"O debate e as especulações irresponsáveis sobre cenários de um 'Grexit' (a saída da Grécia da eurozona) ajudam pouco", declarou o social-democrata, sublinhando que "deve ser claro para todos que uma saída do euro não é um tema em discussão".

Ao mesmo tempo, o presidente do PE pediu que sejam evitados comentários durante a campanha eleitoral grega.

"Os conselhos não desejados que possam dar a sensação ao povo grego de que não é ele que decide sobre o seu destino nas eleições, mas Bruxelas ou Berlim, poderão lançar os eleitores nos braços das forças radicais", advertiu.

O semanário alemão Der Spiegel publicou, no fim de semana passado, que o Governo de Angela Merkel estudava a saída da Grécia do euro, no caso de vitória eleitoral de Alexis Tsipras, do Syriza, no escrutínio de 25 de janeiro e de abandono do programa de reformas, que já "considera inevitável".

De acordo com Martin Schulz, o debate iniciado pelo semanário alemão não só não evita o triunfo do partido Syriza, como beneficia a formação esquerdista.

O diário Bild garantiu, na edição de hoje, que o Governo alemão está a analisar estratégias concretas perante uma possível saída da Grécia da eurozona.

O jornal, que cita fontes em "círculos do Governo", referiu que Berlim está a analisar possíveis cenários, no caso de vitória do Syriza nas eleições legislativas.

Se este cenário se verificar - a vitória de Tsipras e do abandono do programa de reformas em curso na Grécia -, Atenas não ia receber a tranche pendente de 10.000 milhões de euros, indicou o diário.

De acordo com analistas do Governo alemão, se a Grécia sair da eurozona poderá registar-se uma avalancha de clientes nos bancos gregos para garantirem os seus saldos em euros e isso levaria a um colapso das instituições bancárias do país, acrescentou o Bild.

O executivo alemão não confirmou nem desmentiu as informações publicadas pelo Der Spiegel e limitou-se a reiterar que Atenas se comprometeu a manter o plano de reformas, a longo prazo.

Na segunda-feira passada, no encontro habitual com a imprensa, o porta-voz do Governo de Merkel, Steffen Seibert, recusou comentar "situações hipotéticas" e negou que o executivo alemão tenha mudado de postura em relação à Grécia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG