Mais de 1200 ilegais abandonados à deriva no Mediterrâneo em 72 horas

Viagens podem render mais de um milhão de euros aos traficantes, que começaram a recorrer a embarcações de maior porte.

O Ezadeen estava à deriva no Mediterrâneo, abandonado pela tripulação sob condições meteorológicas adversas ao largo da Calábria, com cerca de 450 pessoas a bordo, muitas delas mulheres e crianças, quando foi ontem intercetado por um helicóptero da guarda costeira italiana, que conseguiu colocar seis militares no convés e assumir o controlo do navio. Este tinha o leme bloqueado e estava apontado à costa de Itália.

Foi a segunda situação no espaço de três dias - 72 horas - de um navio deixado pelos tripulantes com centenas de pessoas que tentam chegar a território europeu de forma ilegal. Na quarta-feira, um caso ainda de maiores proporções foi detetado pelas autoridades italianas, quando o Blue Sky M emitiu um pedido de ajuda, também sob condições climatéricas agrestes, no Mar Adriático. Como no caso do Ezadeen, o Blue Sky M estava à deriva, fora abandonado pela tripulação e tinha o piloto automático orientado para Itália. Mas neste segundo caso, o número de pessoas a bordo era o dobro do encontrado no primeiro navio, mais de 900 migrantes, a esmagadora maioria refugiados sírios.

Leia mais no epaper ou na edição impressa do DN

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG