Maggie é contra dietas e lembra quando comia uma maçã e um tomate por dia

Obesidade valeu críticas a Maggie De Block quando se tornou ministra da Saúde da Bélgica. Com humor, diz ser uma "baleia da política".

Maggie Block é a política mais popular entre os belgas, mas tal não impediu que a sua nomeação como ministra da Saúde fosse contestada. Motivo: o seu excesso de peso, que segundo alguns media ronda os 127 quilos. Num livro recentemente publicado em francês, esta médica de formação conta que odeia dietas porque durante a adolescência fez vários regimes que a deixarem doente e quase depressiva.

"Não quero ser má com todas as dietas", declarou esta semana ao jornal Sud Press. "Uma dieta, para perder alguns quilos, porque não? Mas é a longo prazo que é preciso pensar na nossa alimentação. É preciso evitar gorduras e açúcares processados e é preciso comer muitos legumes, peixes e carne magra. Os pratos "magros" preparados? Não sou a favor. Nada melhor do que sermos nós a comprar os nossos ingredientes e cozinhá-los, para ter a certeza do que lá está. E, como estamos na primavera, façam grelhados! Assim poupam na gordura para cozinhar", acrescentou a governante.

Esta sua aversão pelas dietas tem uma razão de ser e leva Maggie de Block, que completa 53 anos nesta terça-feira, de volta à adolescência e a tempos de privação alimentar. "Foi na puberdade que comecei a engordar", contou a ministra a Marijke Libert, autora do livro Buitengewoon Maggie De Block ("Excessivamente Maggie De Block"), publicado em holandês em outubro e agora com edição em francês.

Leia mais na edição impressa ou no epaper do DN.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.